segunda-feira, 14 de maio de 2012

Versão do Exílio



Eu nasci à beira mar
Minha terra tem coqueiros
Onde sobem os caiçaras
Não permita DEUS que eu morra
Sem que eu volte para o lar.

Oh! Que tamanha saudade
Das dunas da minha terra
Do tamarindo do meu povo
Que ginga e anda sorrindo.

Lá ganhei tudo
Minha vida.

Eu andei muito por lá
Onde se come acarajé e cajá
Não permita DEUS que eu morra
Sem que eu retorne para lá.

Minha praia tem mais luar
Nosso povo mais cantar
E eu aqui querendo voltar.

Queria eu não acreditar
Que estou aqui, sem poder voltar
Nossas frutas têm mais sabor
E eu aqui sem poder provar.

Minha terra tem mais ondas
Muito surfei lá
Não permita DEUS que eu morra
Sem que eu volte a nadar.

Minha terra tem carambola, umbu e araçá.
Não permita DEUS que eu morra
Sem que eu volte para o lar (Salvador)
Sem que eu veja o pôr-do-sol
Lá da praia do Corsário.

Assim, também, tentaram descrever a saudade
Abreu, Dias, Drummond, Quintana, Mendes e Andrade
Difícil é de fato.

Mas não permita DEUS que eu morra
Sem que eu volte de onde vim
E que seja assim
O meu fim.


Flávio Barbosa dos Santos
Paródia (Canção do Exílio)
Atibaia-SP. - 24/06/2003

Um comentário: